logomarca

elites parlamentares e partidárias

português >> pesquisas >> pesquisas em curso >> elites parlamentares e partidárias

 

Note: The articles will open in PDF format. Get Adobe Acrobat Reader

________________________________________________________________________________________________  

As transformações da classe política brasileira no século XXI: um estudo do perfil socioprofissional de deputados federais e senadores (1986-2014) (ufpr)

Os objetivos deste projeto são: 1) traçar um perfil social da classe política brasileira (especificamente dos deputados federais e senadores) no período compreendido entre 1986-2014; 2) verificar o processo de mudança e/ou conservação das elites políticas no Brasil após o novo regime da Constituição de 1988 e seus impactos sobre os limites para o aprofundamento da democracia. De um ponto de vista mais geral, pretende-se: discutir os problemas da democracia em conexão com os diferentes tipos de desigualdades (sociais, econômicas) e seu impacto sobre as oportunidades de participação política dos indivíduos. Para tanto, será preciso determinar a estrutura atual do campo político nacional e os constrangimentos à participação e à ocupação de posições centrais por integrantes de grupos subalternos. Com isso, desejamos debater a tese segundo a qual tem havido uma relativa popularização da classe política brasileira, basicamente depois das eleições de 2002.

coordenadores: Adriano Codato (ufpr) e Luiz Domingos Costa (ufpr/nusp; facinter)

projeto de pesquisa

produção intelectual

CODATO, Adriano; COSTA, Luiz D. A profissionalização da classe política brasileira no século XXI: um estudo do perfil sócio-profissional dos deputados federais (1998-2010). In: 35º Encontro Anual da ANPOCS, 2011, Caxambu – MG.  (download)  Access at: observatory-elites.org

 

pesquisas associadas (iniciação científica – ufpr)

As transformações da classe política brasileira no século XXI: uma análise do mercado político de São Paulo

Mariana A. Lorencetti (ufpr)

O objetivo desta pesquisa é fazer uma análise do perfil social e da carreira política dos representantes de São Paulo na Câmara dos Deputados no período das 51a., 52a. e 53a. legislaturas (de 1998 a 2006), utilizando variáveis a respeito do posicionamento ideológico e da formação profissional dos deputados paulistas. Pretende, com isso, testar a validade empírica de duas teses correntes na literatura científica sobre as transformações da classe política brasileira no século XXI. A primeira tese defende a existência de um processo perceptível e crescente a partir das eleições legislativas de 2002 de “popularização” do perfil dos deputados federais: tem havido um aumento do contingente de representantes saídos das camadas médias não tradicionais e das baixas camadas médias em prejuízo do número, tradicionalmente alto, de políticos empresários e titulares de profissões tradicionais, direito, em primeiro lugar (Rodrigues, 2002; 2006). A segunda tese (Perissinotto e Miríade, 2009; Perissinotto e Bolognesi, 2010) constatou, numa direção bem diferente, a existência de uma crescente “profissionalização” desse grupo, ou seja, um número cada vez mais significativo, a partir de 1998, quando começa a série de dados, de representantes que possuem uma carreira consolidada como políticos profissionais, exatamente no mesmo sentido encontrado nas pesquisas internacionais sobre a classe política (Guttsman, 1974; Best e Cotta, 2000). Testamos as duas teses para o caso específico da bancada de São Paulo, ponderando sobre se e como essas mudanças estariam ocorrendo em três subgrupos ideológicos em que se divide a bancada: direita, centro, ou esquerda. Para tanto, foram utilizados dados coletados e organizados pelo Núcleo de Pesquisa em Sociologia Política Brasileira da Universidade Federal do Paraná baseados nas informações oferecidas pelo TSE. Foi observado um aumento da “profissionalização” da classe política paulista. A questão é saber, a partir daqui, o que isso significa, qual a magnitude desse processo (em comparação com o caso brasileiro) e se essa é uma tendência estrutural, que modifica o mercado político do estado, ou apenas incidental, devido a injunções das conjunturas eleitorais estudadas.

 

As transformações da classe política brasileira no século XXI: os novos deputados nordestinos

Paulo Franz (ufpr)

O objetivo deste trabalho é analisar as mudanças recentes na morfologia da classe política brasileira no início do século XXI a partir de duas teses frequentemente sustentadas pela literatura de sociologia política. A primeira defende uma iminente “popularização” dos representantes políticos nacionais. Segundo ela, novos agentes, pertencentes às classes média e média-baixa, estão a surgir no campo político desafiando a configuração elitista tradicional da Câmara dos Deputados (Rodrigues 2002; 2006). A segunda tese sustenta, num sentido bem diferente da primeira, a crescente “profissionalização” desse campo e a predominância de “raposas” no espaço de representação política por excelência, o Congresso Nacional. Comparando-se o contingente de todos os candidatos a deputado federal nas eleições de 1998, 2002 e 2006 viu que, por exemplo, nada menos de 47% dos vitoriosos em 2006 já eram membros do poder legislativo federal (Perissinotto e Miríade, 2009; Perissinotto e Bolognesi, 2010). Nossa pesquisa consiste em testar essas duas hipóteses acima resumidas analisando os dados referentes aos deputados federais do Nordeste (eleitos e não eleitos) que concorreram à 51ª, 52ª e 53ª legislaturas. A região Nordeste possui nove estados, politicamente bem diferentes entre si, onde se tem verificado, em alguns deles, uma mudança importante no comando do Executivo regional com a eleição de candidatos mais à esquerda para a cadeira de governador. Qual o impacto disso sobre as respectivas bancadas de deputados federais? Será que a dinâmica eleitoral (isto é, as sucessivas conjunturas) não é mais decisiva para compor o perfil dos eleitos sem que haja, de fato, uma tendência mais estrutural de mudança do perfil da classe política verificável tanto em termos de “popularização” como de “profissionalização”? Ou por outra: será que a vitória eleitoral de candidatos mais à esquerda no espectro político não tem mudado o perfil social e profissional característico da bancada nordestina sendo essa a variável explicativa para a nova demografia da classe política da região? Para responder a essas questões foram utilizados dados coletados e organizados pelo Núcleo de Pesquisa em Sociologia Política Brasileira (NUSP) da Universidade Federal do Paraná baseados nas informações oferecidas pelo Tribunal Superior Eleitoral.

 

________________________________________________________________________________________________ 

Como se faz um deputado: a seleção de candidatos para deputado federal nas eleições de 2010 (ufscar – ufpr – ufs – pucrs – ufpa)

A partir de um survey aplicado a 120 candidatos a deputado federal nas eleições de 2010, o presente projeto de pesquisa tem por principal objetivo entender de que modos os candidatos experimentam a fase em que são inseridos nas listas eleitorais nos quatro maiores partidos brasileiros, notadamente o PT, o PSDB, o PMDB e o DEM. O survey foi aplicado para candidatos de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul, Sergipe e Pará. A pesquisa ocorre através de uma cooperação entre pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos, da Universidade Federal do Paraná, da Universidade Federal de Sergipe, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e da Universidade Federal do Pará. A pesquisa tem como objetivos específicos: i) formar um banco de dados sobre a seleção de candidatos no Brasil; ii) estabelecer as diferenças do processo de seleção entre os diferentes partidos políticos; iii) criar uma agenda de pesquisa empírica sobre o recrutamento de elites e a profissionalização do ofício político; e iv) estabelecer a lógica da relação entre os processos de seleção de candidatos, os partidos políticos e o sistema político no Brasil.

coordenadores: Renato Monseff Perissinotto (ufpr); Luciana Veiga (ufpr); Maria do Socorro Braga (ufscar); Bruno Bolognesi (ufscar); Wilson Oliveira (ufs); Maria Luzia Miranda Álvares (ufpa)

projeto de pesquisa

produção intelectual

BOLOGNESI, Bruno. Impactos do sistema eleitoral, competitividade política e recrutamento de elites: partidos políticos no Brasil. In: V Congreso Latinoamericano de Ciência Política, 2010, Buenos Aires. CDROM do V Congreso Latinoamericano de Ciência Política, 2010.

VEIGA, Luciana ; PERISSINOTTO, Renato M. Profissionalização política, processo seletivo e recursos partidários: uma análise da percepção dos candidatos do PT, PMDB, PSDB e DEM nas eleições para Deputado Federal de 2010. In: 35º Encontro Anual da ANPOCS, 2011, Caxambu – MG.  (download)  Access at: observatory-elites.org

 

________________________________________________________________________________________________ 

Elites políticas, competição eleitoral e políticas públicas: mensurando o alcance das mudanças políticas e sociais no MA, PA e SE (ufs – ufma – ufpa – ufrgs)

O projeto constitui uma rede de cooperação entre pesquisadores do PPG em Ciência Política da UFRGS e da UFPA e dos PPPGs da UFMA e UFS com vistas à realização de uma investigação em torno das conexões entre mudanças na composição de elites políticas, o incremento na competição eleitoral, e seus impactos sobre políticas públicas e indicadores sociais em três estados das regiões Norte e Nordeste.

coordenador: Ernesto Seidl

projeto de pesquisa

produção intelectual

 

________________________________________________________________________________________________